12 de jul de 2012

"As mudanças, quando precisam acontecer, sabem como nos encontrar"






Da maturidade ... permito-me olhar com menos ilusões, aceitar com menos sofrimento, entender com mais tranquilidade, e querer com mais doçura (estou amadurecendo, compreendo e  sigo aprendendo)

Das escolhas ... Quando discuto com pessoas queridas, deixo-as ganhar. Escolhi ser feliz ao invés de ter razão (elas são difíceis, mas preciso fazê-las...)

Do tempo ... O tempo não cura tudo, aliás, o tempo não cura nada, ele apenas tira o incurável do foco das atenções (ameniza a dor, passa a ser suportável) 

Da pressa ... Eu tenho pressa e tanta coisa me interessa, mas nada tanto assim (tudo passa depressa demais, e eu não tenho tanta)

Das contravenções ... Cometo pequenos crimes, sem culpa alguma: gosto de matar saudades (era mesmo assim que deveria ser,  sem culpas)

Dos vínculos ... Aprendi que pessoas, muito mais que coisas, devem ser restauradas, revividas, resgatadas e redimidas: jamais jogo alguém fora  (ééé, isso deveria ser lei)

Das histórias ... Abro os braços e fico na ponta dos pés. Tem dias que tiro para contar quantas histórias cabem em uma idéia. Foi assim que aprendi a guardar o tempo (histórias  são fatos ou não, mas viram palavras, e....... palavras, essas não mudam, por isso ficam)

Dos desejos ... O meu maior desejo sempre foi o de aumentar a noite e tentar enchê-la de sonhos (queria realizá-los numa proporção maior do que sonhar)

Das mudanças ... Não há lugar para onde correr: as mudanças, quando precisam acontecer, sabem como nos encontrar ( quando as quero também busco)

Da superação ... Depois de cada momento de fraqueza, meu coração prepara, em silêncio, uma nova fornada de coragem (por vezes demora a preparar a receita, mas acontece)

Da lógica ... Se sou melhor apesar dos golpes duros da vida, posso ser melhor ainda com os toques suaves na alma (é uma lógica perfeita)

Das decisões ... Ou me quer e vem, ou não me quer e não vem. Mas que diga-me logo pra que eu possa desocupar o coração (éééé..... tb preciso saber, tá difícil saber essa indecisão (?)

Do aprendizado ... Estou aprendendo com os rios, a me deixar levar pela correnteza das águas, sem temer a queda livre das cascatas (aprender é diário.....e em tudo)

Do que acredito ... Creio em tudo que me faz brilhar os olhos quando defendo. Aliás, só defendo se me brilham os olhos (preciso mesmo acreditar, senão como posso fazer valer?)

Do que carrego ... Tenho apenas duas mãos, e todo o sentimento do mundo (e um coração de terra fértil em, que tudo que se cultiva floresce .......)

Texto: Rodrigo de Padua

Nenhum comentário:

Postar um comentário